Microsoft Azure BizTalk Services–Configurando o ambiente de desenvolvimento

Esta é a continuação do artigo Microsoft Azure BizTalk Services–Criando seu primeiro serviço BizTalk. O que vimos anteriormente foi a criação do serviço, cobrindo os números 1 e 2 da agenda. Nesta parte vou concluir com as configurações do  ambiente de desenvolvimento completando o passo 3.

CAPA02

Agenda

  1. Pré-requisitos
    1. Subscription ativa no Azure
    2. Dependências no Azure
    3. Dependências On-premisse
  2. Provisionando o serviço
    1. Criando o Banco de Dados
    2. Criando uma Conta de Armazenamento   
    3. Criando o MABS (Microsoft Azure BizTalk Services)
    4. Obtendo o Controle de Acesso
    5. Configurando o Azure BizTalk Services Portal
  3. Configurando o ambiente de desenvolvimento
    1. Instalando o certificado
    2. Criando um certificado para o BizTalk Adapter Service
    3. Instalando o Azure SDK BizTalk Services
    4. Instalando o BizTalk Adapter Service (BAS)
  4. Configurando o BizTalk Adapter Service
  5. Considerações
  6. Referências

Continuar lendo

Microsoft Azure BizTalk Services–Criando seu primeiro serviço BizTalk

Este artigo é dedicado a inicialização ao Microsoft Azure Biztalk Services. A ideia é criar um serviço do Biztalk PaaS, instalar o SDK na máquina de desenvolvimento e criar um projeto utilizando o Visual Studio.

CAPA01

A primeira motivação para a criação deste artigo foi a quantidade de erros que tive de solucionar em conjunto com a falta de material atual sobre o assunto (e em português nem se fala). Neste artigo minha intenção é fornecer um guia completo para se iniciar no Azure BizTalk Services abrangendo tanto a criação do serviço no Portal do Azure, quanto a configuração e instalação do SDK para o desenvolvimento.

“Vale notar que estamos falando do Azure BizTalk Services que é uma solução PaaS.”

Se você não estiver familiarizado com o conceito de PaaS, sugiro a leitura do seguinte artigo: Modelos de Serviço na Nuvem: IaaS, PaaS e Saas.

Também vou dividir este post em duas partes: A criação do serviço e a instalação do SDK.

Continuar lendo

Mensageria e os Protocolos–Choose your poison

Uma das questões mais interessantes da mensageria são os protocolos. Na arquitetura de software é fundamental entender a diferença entre os protocolos de mensagens e qual deve ser utilizado em cada tipo de aplicação.

capa

Hoje com a multiplicidade de sistemas e plataformas, os arquitetos de software tem optado pela utilização do famoso Message Broker (que vou abordar em um próximo post). Porém escolher um middleware de mensagens também implica em entender as diferenças sutis entre os protocolos de transporte, o que pode ser uma tarefa difícil.

Neste post vou apresentar os principais e mais utilizados protocolos de mensagem da atualidade.

Continuar lendo

Mensageria–Uma introdução ao Enterprise Integration

capa

Primeiro vale notar qual a necessidade da mensageria. Hoje muito se fala em sistemas distribuídos, escaláveis, cloud computing e etc. O que nos leva a perceber que a cada dia temos mais sistemas e serviços sendo utilizados em massa, e que logicamente estes sistemas raramente são construídas de forma isolada.

O que temos visto é que a prática de mercado aponta para uma pluralidade de sistemas, o que por sua vez aponta para uma pluralidade de plataformas e linguagens. Neste post vamos iniciar os estudos sobre as técnicas de integração de sistemas (Enterprise Integration Patterns), iniciando pela mensageria.

Continuar lendo

Filosofia no JavaScript – Funções são declaração ou expressão?

Capa

Primeiro, de maneira simples e clara a resposta da pergunta acima é: Tanto faz… Funções em Javascript funcionam tanto como Declaração ou Expressão. O que nos leva a segunda pergunta: Então para que este post se é algo tão simples? Assim como na filosofia alguns dos temas mais complexos se escondem na simplicidade (não que este seja o caso).

O certo porém, é que uma função em Javascript pode ser utilizada de maneiras diferentes, como nos seguintes casos:

  • Expressões – Expression
  • Passar valores – Passed as value
  • Retornar valores – Returned as value
  • Declarações – Statement

Contudo é bom observar alguns aspectos, já que dependendo do uso as funções podem sofrer limitações ou adquirir novos comportamentos.

Continuar lendo

#AzureSummitBR 2014 – Azure Mobile Service e os backends Node.JS e Web API

Primeiro gostaria de agradecer a todos os que participaram desta palestra,  e por todos  os feedbacks. Como o prometido vou estar disponibilizando a DEMO principal, as referências e um vídeo de como criar o seu serviço e consumir o Jogo da Forca.

03

O #AzureSummitBrasil é o maior evento de Microsoft Azure do Brasil, organizado pela BR Soluções Integradas e este ano rodou sua segunda edição. Para os que ainda não conheciam o evento, sugiro apenas que entre no site e leia a grade de palestras… é um evento realmente imperdível!!!

 

Em relação a minha palestra, a primeira demo foi o jogo TicTacToe MAMS, que é um jogo da velha com o backend no Microsoft Azure Mobile Service com Node.js. Basicamente você informa o nome do jogador, faz a sua jogada e o vencedor recebe uma pontuação randômica, que se for maior que a maior pontuação atual, envia uma notificação aos usuários indicando o novo campeão.

capa

A segunda demo foi o Jogo da Forca MAMS. Este exemplo utilizou o backend .NET Web API, que faz basicamente o mesmo que o jogo anterior. Neste caso também demonstrei como forçar a utilização da autorização (IDENTITY), e algumas possibilidades de utilização para armazenamento de dados, testes locais e publicações.

Capture

Continuar lendo

Cloud Computing–Como entrar no mercado de trabalho

Recentemente durante um evento me fizeram uma pergunta que penso ser pertinente compartilhar neste post. A questão era o que fazer para conseguir o primeiro emprego ou entrar no mercado de trabalho de Cloud Computing.

employers

Para ilustrar estou utilizando o gráfico acima que mostra as 15 empresas que mais estão demandando profissionais de Cloud Computing hoje (clique na imagem para ampliar). Este é um dado da Forbes e segue nas referências ao final do post.

Continuar lendo